Criança prefere brincar lá fora – e com outras crianças de verdade

13.01.2013
, , , ,  - 

 

A Sociedade Brasileira de Pediatria e o Instituto Datafolha realizaram uma pesquisa importante para entendermos o universo emocional da infância no Brasil. Foram ouvidas 1.525 crianças brasileiras de 4 a 10 anos, de todas as classes econômicas, em 131 municípios.

A metodologia utilizou uma escala visual de cinco pontos (cartão “de carinhas”), para que as crianças manifestassem seu estado de alegria ou tristeza frente a diferentes situações ou propostas.

Alguns dos resultados:
- O que deixa a criança “muito alegre” e “alegre” é o dia do seu aniversário (96% das respostas), praticar esporte (94%), brincar com os amigos (92%), as férias escolares (91%), assistir TV (90%).
- A situação na qual se sente “muito triste” e “triste” (71%) é ficar longe da família.
- Em matéria de brincadeiras, os primeiros lugares foram: jogar bola (33%), brincar de boneca (28%) e assistir TV (26%). Andar de bicicleta veio a seguir, com 19%. O pega-pega ficou 17%. Empataram, com 14 % das preferências, o esconde-esconde, brincar de carrinho, casinha e vídeo-game. O computador vem com apenas 9% (é bem mais popular entre os mais velhos). Apareceram também soltar pipa e desenhar/pintar (6%), pular corda (5%), brincar de corrida, animal de estimação e… estudar (4%, ui!).

Algumas das conclusões dos organizadores:
- O que faz a criança feliz não é o brinquedo: é brincar, é conviver com a família e amigos.
- A criança não é consumista por natureza.
- O núcleo familiar proporciona sensações felicidade.
- Fica clara a grande importância dada pelas crianças ao convívio – tão decisivo para o seu desenvolvimento emocional – não apenas com a família nuclear, mas também a “estendida”;
- 87% dos entrevistados se definem como “alegres” ou muito alegres” quando estão com os avós, os irmãos, na mesa com a família e quando pensam na mãe.
- 47% ficam “tristes” ou “muito tristes” quando brincam sozinhos. A convivência é claramente muito importante para as crianças de todas as idades.
. As brincadeiras tradicionais trazem mais alegria: apesar da forte presença da TV e dos eletrônicos, ainda existe o Brasil das brincadeiras tradicionais. E estas ainda trazem mais alegria do que as propostas mais “modernas.”
- Brincadeiras de rua, apesar das limitações impostas pela violência urbana, estão em primeiro lugar no desejo das crianças.
- Em geral, a criança se volta para o brinquedo eletrônico quando está sozinha. Mas se for oferecida uma alternativa, prefere.
- Os eletrônicos entram na vida da criança muito cedo e ganham espaço excessivo. As menores, expostas, acabam adquirindo o hábito;
. As crianças têm uma boa auto-imagem. E o futuro é bem-vindo: 87% dos entrevistados ficam alegres quando pensam em si mesmos como pessoas grandes.

Enfim: somos felizes, ainda. Gostamos de brincar lá fora e com amigos; gostamos de estar em família; computador e TV é bom, mas pega leve. Não precisa me dar tanta coisa, prefiro você mesmo. E vamos jogar bola. Ô, gente de bom senso.

Compartilhe !