Vamos cuidar do nosso futuro

23.11.2015
, , , , , , , , , ,  - 

Você se preocupa com o futuro de seu filho e de sua filha. Quer que cresça feliz, saudável. Que coma bem. Que desenvolva bons hábitos. Que jogue bola, que faça dança, que se divirta, que curta as artes. Que passe no ENEM, estude numa boa faculdade, tenha um trabalho bacana com um bom salário, ou que seja um bem sucedido empreendedor. Que se realize não só profissionalmente mas amorosa e espiritualmente, que lhe dê netinhos felizes, uma nora/genro sensacional e cuide de você na sua velhice.

Mas você quase nunca se preocupa com o mundo em que ele vai viver. Se este mundo vai ser árido e seco, ou terá água para todos. Se vai estar em guerra generalizada, ou terá encontrado soluções justas para as tremendas e massacrantes desigualdades nacionais e globais. Se terá desenvolvido matrizes energéticas limpas e que permitam que a vida humana se sustente, ou se viverá numa nuvem de fumaça tóxica e com energias esgotadas. Se seu filho viverá em meio ao lixo e o resíduo tóxico, ou se poderá ainda tomar banho na praia e na cachoeira. Se vai sair do trabalho num trem bacana e chegar em minutos em casa para curtir seus filhos, ou se ficará parado por 4 horas em seu carro. Se vai viver numa sociedade decente, onde o cuidado e a ética ainda são a norma ou numa nação doente, onde roubo, individualismo e corrupção se naturalizaram.

A felicidade de nossos filhos não depende apenas de nossa influência em suas vidas individuais. Se não tivermos atenção para com o coletivo hoje, estamos condenando nossos filhos e netos a vidas extremamente difíceis, repletas de problemas insolúveis, mergulhados em esforços de sobrevivência, em vez de poderem se dedicar ao desfrute de tudo que a vida pode oferecer de bom neste planetinha.

Há muito o que fazer. Sim, nossa participação pode ser transformadora, mesmo a do dedinho no computador.

Para quem acha que seu dedinho não transforma: Julien Blanc, um criminoso violento, que faz a apologia da violência contra a mulher, terá seu visto negado no brasil graças ao ativismo virtual; juntamos 28 mil reais para dar a resposta ao corporativismo patético da justiça brasileira no caso do juiz deus; conseguimos uma lei para coibir os abusos da publicidade infantil; recolhemos a Revista Vogue e seu ensaio ofensivo à infância brasileira.

Sim, fomos nós. Fizemos muito. 
Sim, nós podemos. Dedo + Rua: isso muda o mundo.

Você pode se afiliar ao Meu Rio (http://www.nossascidades.org) e acompanhar as mobilizações que fazem em favor de cidades mais justas e sustentáveis.

Ainda dá tempo de assinar pelo Desmatamento Zero e garantir a água da próxima década, e a de seu filho – veja abaixo. O que pode ser mais importante neste momento para nós, como pais, do que parar o desmatamento da Amazônia? A aulinha de psicomotricidade de amanhã à tarde? Desculpe, mas não é.

O post abaixo é sobre nossos filhos. Leia e assine a petição, se quiser. Eles vão nos agradecer – tenha a mais absoluta certeza disso.

Essa falta de água em São Paulo talvez tenha vindo pra nos salvar. Se fossem só os pobres, cortaríamos até a última árvore. Mas a sede afeta a todos.
Quem sabe no dia em que o último paulistano lave pela última vez seu carro com a última gota d’água do Sudeste (porque Rio e Minas certamente vão emprestar a sua água aos nobres vizinhos); quando o último prato tiver sido lavado no D.O.M. ou no Fasano; quando o Palácio Bandeirantes e os acionistas da SABESP (eu, burrinho, soube há pouco que a água em SP era privatizada e deu lucro recordes aos seus “proprietários”), os poderosos paulistas se dêem conta de que consumir obsessivamente, manter no poder os ruralistas que destroem a Amazônia, desmatar e comprar madeira (ilegal se possível) para seus móveis e construções de luxo, consumir loucamente nas churrascarias a carne que transforma floresta em cerrado para pasto, sejam formas decadentes de suicídio.
Talvez quando estivermos todos com sede (paulistas e os demais), especialmente os poderosos, o Brasil finalmente entenda que é preciso manter a floresta em pé, sancionar a lei do desmatamento zero, criminalizar o desmatamento, controlar a ambição e a mentira dos ruralistas e do agronegócio predatório, reprimir o corte ilegal e todas as atividades destrutivas desse meio ambiente crucial para o país e para o mundo. E estimular e apoiar as atividades que preservam a floresta, que cultivam a floresta, e que a replantem.
Delirando de sede, talvez a gente consiga ver essa linda imagem dos rios voadores, as correntes de umidade que descem da Amazônia para aguar o Brasil. Talvez sentindo essa dor em nossa carne a gente consiga entender que nossos filhos vão sofrer muito mais que nós, e que somos absolutamente responsáveis por isso.
E você, amigo aí do outro lado da tela, por favor, por todos nós, levante seu dedinho e clique nestes links, para compartilhar e apoiar esta causa. Depois, vá até sua torneira mais próxima e reze uma benção, enquanto o milagre da vida ainda jorra em nossas casas.
É nossa responsabilidade – de mais ninguém.
http://www.greenpeace.org/…/Noti…/Sem-floresta-nao-tem-agua/
(aqui há um espaço para o abaixo-assinado)
https://www.youtube.com/watch?v=MXWQYKhSqRA

Compartilhe !